• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Confira os Eixos do 13º Congresso Nacional da CUT

Publicado: 07 Outubro, 2019 - 11h56 | Última modificação: 07 Outubro, 2019 - 12h03

Escrito por: Érica Aragão

notice

O 13º Congresso Nacional da CUT, que acontece entre os dias 7 e 10 de outubro, na Praia Grande, em São Paulo, pretende expressar de forma contundente o momento que o país vive e o sentido que os sindicalistas e as sindicalistas querem dar para ele. E o nome do CONCUT explica bem os eixos da Central para o próximo período: “Lula Livre - Sindicatos fortes, direitos, soberania e democracia”.

Para a Secretária-Geral Adjunta da CUT, Maria Faria, não tem como ter um sindicato forte se ele não representar os trabalhadores formais e informais, mas principalmente que esta classe trabalhadora entenda que o sindicato é uma ferramenta importante da luta por direitos.

Os outros eixos do Congresso, como soberania e democracia, precisam andar juntos porque o país não pode voltar a ser um quintal dos Estados Unidos e o povo brasileiro precisa voltar a ser respeitado, tanto na voz quanto no voto, diz Maria Faria se referindo à relação de subordinação que Bolsonaro tem com o presidente dos EUA, Donald Trump, e também ao programa de privatizações que pretende entregar o patrimônio nacional a empresas estrangeiras.

“Não podemos ficar assistindo a entrega do país para os americanos, temos que resistir em nome da dignidade da classe trabalhadora, mas também precisamos exigir que os brasileiros e as brasileiras voltem a ser reconhecidos e fortalecidos a partir de seus direitos de voz e voto, e não serem golpeados do jeito que aconteceu no pais”, afirmou a dirigente CUTista, se referindo ao golpe de 2016 que destituiu a presidenta Dilma.

Neste contexto, a bandeira “Lula Livre” não poderia estar de fora, afirma Maria. Segundo ela, Lula representa todo o anseio da população brasileira, que viveu nos governos democráticos com o pleno emprego, o avanço dos direitos e com políticas públicas capazes de transformar a vida de cada trabalhador e trabalhadora do campo e da cidade, como reconheceu a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, que nesta quinta-feira (3) concedeu a Lula o título de cidadão parisiense. No comunicado à imprensa, a prefeita indica que também considera Lula preso político ao afirmar que “através da figura do ex-presidente todos os defensores da democracia no país são atacados”. “Quem tinha dúvidas que o presidente Lula é um preso político não tem mais e a gente sabe que Lula precisa sair desta condição e o povo precisa sair deste cabresto, que estão o colocando. Lula livre significa povo livre, com direitos, com sindicatos fortes, com democracia, soberania e cidadania”, complementa Maria.

 Política da CUT é construída de forma democrática

Além de mais de 100 sindicalistas de 50 países do mundo e dos movimentos sociais das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, também vão participar do 13º Congresso Nacional da CUT a presidenta do PT, Gleisi Hoffman, a ex-presidenta Dilma Rousseff, o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad e o ex-Ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim.

Estão previstos na programação do 13º CONCUT, debates internacionais e nacionais, mas também os sindicalistas e as sindicalistas vão discutir internamente o estatuto e o plano de luta para a Central no próximo período.

“Para discutir o modelo organizativo é fundamental que este debate seja feito pelos dirigentes da CUT nacional e dos Estados e principalmente pelos dois mil delegados e delegadas que estarão representando os 19 ramos da Central e os 26 estados e mais o Distrito Federal. E eles têm legitimidade para construir uma resolução que atenda esta amplitude”, explicou a Secretária-Geral Adjunta, Maria Faria.

Depois da etapa nacional, os estados também farão seus congressos entre 15 de outubro e 15 de dezembro, bem diferente do que aconteceu nestas três décadas da Central.

“Este ano o formato do Congresso está invertido, o nacional primeiro e depois dos estados. Porque este debate mais profundo que está sendo proposto pela representação nacional, os estados vão repetir em seus territórios, de forma descentralizada e a luz das suas realidades”, destacou Maria.

Formato do Congresso

O 13º CONCUT será realizado no Ginásio Falcão, na Praia Grande, mantido pela prefeitura da cidade. A CUT fará o seu encontro nas estruturas construídas pelos trabalhadores, trabalhadoras e pelos movimentos social e sindical, inclusive de outras centrais.

Ao invés de pagar uma estrutura da iniciativa privada de hospedagem e alimentação, irá valorizar o que é do trabalhador e é mantido por eles.

“Além da gente se hospedar nas colônias de férias dos sindicatos, a gente vai ter alimentos da economia solidária. Iremos ter ao redor do ginásio comerciantes da região para fomentar a economia local. É um encontro realizado para os trabalhadores e por trabalhadores”, explica Maria.

Nova diretoria

No 13º Congresso Nacional da CUT vai eleger uma nova diretoria que vai assumir a responsabilidade da Central num período muito difícil.

Para Maria, a nova diretoria terá o grande desafio de estar a frente da maior central sindical do Brasil e da América Latina e a 5º maior do mundo, porque o Brasil está assustado com tantas medidas de Bolsonaro, que até agora não gerou empregos, não melhorou a economia e só estamos vendo a entrega do nosso país, retirada de direitos e conquistas, desemprego e trabalho sem direitos.

“Mas os trabalhadores e as trabalhadoras precisam saber que os homens e as mulheres que vão assumir a CUT são valorosas e que aprenderam na luta e na raça. Além disso, esta diretoria que será eleita sabe o que é defender direitos, empregos e são pessoas preparadas para isso. Este desafio será incentivador para que a nova gestão nacional  e dos estados deem sua cota de contribuição na história deste país e da classe trabalhadora”, frisou a dirigente.

Materiais do 13º CONCUT:
https://www.cut.org.br/noticias/materiais-do-13-concut-902c