• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

CUT/SE repudia decreto de Belivaldo que flexibiliza isolamento social

Por lockdown em Sergipe, em defesa da vida e da democracia, militantes do movimento social e sindical espalharam cartazes em vários pontos de Aracaju no último domingo

Publicado: 15 Junho, 2020 - 19h40 | Última modificação: 15 Junho, 2020 - 19h53

Escrito por: Iracema Corso

notice

No dia em que Sergipe registra mais de 12.800 contaminados e 316 óbitos por Covid-19, na segunda-feira (15/6) o governador de Sergipe publicou o decreto 40.615 liberando a abertura de vários tipos de estabelecimentos comerciais.

Presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT/SE), Roberto Silva questionou: quem será responsabilizado pelo aumento das mortes e da contaminação por Covid-19, decorrentes da abertura do comércio? “A CUT/SE repudia o decreto publicado pelo governador que reabre o comércio no momento errado. As pessoas que estão contaminadas precisam ficar em casa, por isso lutamos pelo lockdown em Sergipe. Abrir o comércio neste momento é algo que só vai aumentar a contaminação e o número de mortos em Sergipe”, criticou.

O último domingo (14/6) foi marcado por ações de mobilização nos terminais de ônibus de Aracaju. O objetivo da ação foi chamar a atenção da população para a necessidade urgente da decretação do lockdown em Sergipe devido à pandemia do Covid-19, antes que haja a lotação completa de todas as UTIs e o colapso nos sistemas de saúde pública e privada.

Com cartazes colados em diferentes pontos da cidade, os militantes deixaram o recado firmado na luta em defesa da democracia, por Fora Bolsonaro, eleições diretas já.

De acordo com Roberto Silva, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT/SE), na próxima quarta-feira haverá uma reunião para discutir novas ações a serem realizadas pelas lideranças sindicais e movimentos populares. “Não podemos assistir de braços cruzados ao avanço descontrolado da pandemia em nosso Estado sem ver nenhuma medida dura para conter a contaminação. Da mesma maneira, em atos pontuais de rua e nas redes sociais convidamos a população para se somar às ações em defesa da democracia”, apontou Roberto Silva.