• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Delegados do 13º CONCUT são contra a saída da Petrobrás do Nordeste

No Congresso Nacional da CUT, dirigentes sindicais se manifestam em defesa da Petrobrás, Fafen e de várias empresas públicas de importância estratégica para o Brasil

Publicado: 09 Outubro, 2019 - 14h00 | Última modificação: 09 Outubro, 2019 - 14h04

Escrito por: Iracema Corso

notice

No 13º Congresso Nacional da CUT, em Praia Grande/SP, a Mesa com lideranças sindicais brasileiras, da América Latina, Itália e Portugal, sobre ‘Desregulamentação e precarização do trabalho e alternativas de organização dos trabalhadores’, no dia 7/10, levou ao debate sobre o desmonte do Estado brasileiro tendo em vista o projeto do Governo Federal de privatização das empresas públicas.

Contra a saída das bases administrativas da Petrobrás em todo o Nordeste, petroleiros de todo o Brasil participaram de uma reunião após o plenário com delegados do Congresso que trabalham em empresas estatais e públicas em eminência de serem privatizadas. Todas as centrais sindicais vão participar do protesto, previsto para o dia 30 de outubro, em Brasília, que está em fase de construção coletiva.

O presidente da CUT/SE, Rubens Marques registrou que: “o movimento sindical da CUT vem travando uma luta em defesa da Petrobrás e Fafen por sua importância vital para o País. No caso de Sergipe, essa importância tem uma amplitude maior na economia, na geração de emprego, na cadeia produtiva como um todo. De forma criminosa, o governo Bolsonaro, um governo irresponsável, está tentando tirar a Petrobrás de Sergipe. Portanto é preciso de uma luta incessante para isso não acontecer e nós precisamos do apoio da Bahia que deve passar pelo mesmo processo”.

O petroleiro e presidente da CUT/BA, Cedro Silva, afirmou que é urgente lutar em defesa da Petrobrás/ Fafen. “Irmanado nesta luta em defesa da Petrobrás para que esta empresa continue 100% pública e estatal, assim como também a luta em defesa das Fafen/BA e Fafen/SE para que continuem produzindo ureia e amônia, impulsionando parte da agricultura brasileira e alimentando o gado, impulsionando a agropecuária, para que continue produzindo bicarbonato usado na hemodiálise. Estamos aqui no Congresso Nacional da CUT em Praia Grande/SP fazendo a defesa da Fafen Sergipe e da Fafen Bahia”, declarou.

Da delegação da CUT/SE, o petroleiro Ivan Calazans informou que a mídia de Sergipe já está divulgando a data do leilão da Fafen, marcado para o dia 11 de novembro. “É um absurdo vender a Fafen, é um absurdo entregar a riqueza da Petrobrás. Para você ter uma ideia, a venda de mais um bloco do pré-sal nos dias 6 e 7 de novembro, através de leilão, corresponde à venda de um campo que produz 52 milhões de barris de petróleo. E o que isso significa? Eu alerto que antes da descoberta do pré-sal no Brasil, a Petrobrás inteira produzia apenas 16 milhões de barris de petróleo. Estou explicando para que os brasileiros tenham ideia do que o governo federal está fazendo. Isso é patrimônio do povo brasileiro. Por isso não só os petroleiros, mas toda a população deve se somar a esta luta”.