• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Dirigente da CUT e da Fetam cobra audiência com prefeito de Propriá

Reajuste de 2021, alteração da jornada de trabalho dos servidores e corte do direito à gratificação são temas importantes para serem discutidos em audiência

Publicado: 20 Janeiro, 2021 - 16h33 | Última modificação: 20 Janeiro, 2021 - 16h54

Escrito por: Iracema Corso

notice

Os servidores públicos do município de Propriá ainda estão começando a receber o salário atrasado de dezembro/2020. Como se não bastasse a tristeza de passar as festas de fim de ano sem remuneração, hoje os servidores foram surpreendidos com o decreto 018/2021 do novo prefeito Dr. Valberto Lima suspendendo o direito à gratificação pago aos servidores efetivos que desempenham cargo de chefia.

Dirigente da FETAM (Federação dos Trabalhadores do Serviço Público Municipal de Sergipe) e da Central Única dos Trabalhadores (CUT Sergipe), Cláudio Herculano explicou que o decreto não pode derrubar o artigo da lei 512/2010, vinculada ao Plano de Cargos e Salários dos Servidores. O dirigente avaliou que o prefeito deve suspender o decreto e receber os representantes dos trabalhadores para conversar.

“Entreguei um ofício na segunda-feira (18/1) para marcar uma audiência com o prefeito. Precisamos conversar sobre o reajuste salarial de 2021. Todo mês de janeiro a gente senta com o prefeito e discute como será o reajuste anual. Nosso Plano de Cargos e Salários determina 10% de reajuste tendo como parâmetro o salário mínimo anual”, explicou Cláudio Herculano.

Segundo o dirigente sindical Cláudio Herculano, os servidores públicos estão desestimulados neste início de ano. No começo da semana, os servidores com mais de 30 anos de serviço foram comunicados que terão alteração na jornada de trabalho. Ao invés de trabalhar das 7hs às 13hs, vão trabalhar das 8hs às 12hs, com o intervalo de almoço e retorno para o trabalho das 14hs às 17hs.

“2020 foi um ano muito difícil, 2021 poderia começar melhor para os servidores públicos de Propriá que trabalharam duro, mesmo sem EPI para se proteger da Covid-19, porque aqui os trabalhadores da saúde, os garis tem trabalhado sem máscara, sem luva, sem nenhuma proteção em plena pandemia. Como se não bastassem a contaminação e o risco de perder a saúde e a vida, no fim do ano os servidores ficaram sem salário, e em janeiro tem corte de gratificação e alteração da jornada”, criticou o sindicalista.

Cláudio Herculano afirmou que é um retrocesso o prefeito não receber o dirigente sindical para discutir estas medidas que interferem diretamente na vida dos trabalhadores.

“Este decreto, sem qualquer diálogo com os trabalhadores, é um retrocesso. A justificativa para o corte das gratificações foi reduzir gastos, mas a Prefeitura já contratou agora em janeiro entre 50 a 100 pessoas. Então cadê a economia? Tem até pessoas com vínculo na Prefeitura de Aracaju que trabalham em Propriá. Queremos que o prefeito marque uma audiência com dirigentes da CUT e da Fetam urgente”, reforçou Herculano.

Segundo o presidente da CUT Sergipe, Roberto Silva, a luta por direitos trabalhistas, democracia, respeito, salário e valorização dos servidores públicos concursados é uma luta da CUT.