• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Em Aracaju: Sexta tem Ato contra o Fim das Aposentadorias

Publicado: 10 Julho, 2019 - 15h16 | Última modificação: 11 Julho, 2019 - 10h17

Escrito por: Assessoria de Comunicação CUT

notice

Vai ter 'Ato contra o fim das Aposentadorias' na próxima sexta-feira, dia 12 de julho, no Calçadão da João Pessoa, em Frente à Caixa Econômica Federal, a partir das 14h. O protesto será realizado por todas as centrais sindicais, sindicatos filiados, a Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo.

Presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT/SE), o professor Rubens Marques afirma que este é um protesto de todos que não aceitam perder a aposentadoria.

“A manifestação vai divulgar para o povo de Sergipe o nome dos deputados e senadores de Sergipe que agem contra a população e querem acabar com a aposentadoria do povo trabalhador de todo o País. Lutar contra a força do capital que quer aprovar essa reforma não é fácil, mas vamos resistir até o último momento e vamos informar a população brasileira enganada sobre esta Reforma da Previdência, que é a sentença de morte contra a previdência pública brasileira. Este é o maior crime que já houve neste País desde a reconquista recente da democracia em 1989. Na próxima sexta-feira, dia 12 de julho, nós vamos denunciar este crime e dizer quem são os culpados, quem quer sentenciar a população brasileira a viver sem previdência pública, todos que concordam conosco são convidados a participar deste protesto”, declarou o presidente da CUT/SE.

Entenda porque a reforma da Previdência é nefasta à classe trabalhadora

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC 006/2019) da reforma da Previdência deve ser colocada em votação no Plenário da Câmara na próxima semana, de acordo com o calendário divulgado pelo Presidente da Casa, César Maia (DEM/RJ), após o texto do relator Samuel Moreira (PSDB/SP) ter sido aprovado por 32 votos a 13 na Comissão que analisava a PEC.

O texto do relator acaba com a aposentadoria por tempo de contribuição – que hoje é de 30 anos para a mulher e 35 para os homens. Impõe uma idade mínima de 62 (mulheres) e 65 (homens) e a obrigatoriedade de 40 anos de contribuição para quem quiser se aposentar com o salário integral.

A proposta do governo de Jair Bolsonaro também diminui o valor do benefício.  Hoje com 15 anos de contribuição, homens e mulheres se aposentam com 85% das 80% maiores contribuições, excluindo as 20% menores. Com a reforma, esse valor passa a ser de apenas 60% com 20 anos de contribuição dos homens e 15 anos das mulheres.  Ambos os sexos já saem perdendo 25% do benefício. A diferença é que no texto do relator, os homens, além de perderem esse percentual, vão ter de trabalhador mais cinco anos, pois somente com 20 anos de contribuição poderão pleitear a aposentadoria.

Além disso, as viúvas e viúvos só receberão 60% do valor da pensão, mais 10% por dependente. Caso a pensão fique abaixo do salário mínimo, só terão direito aos R$998,00 se não tiverem nenhuma outra fonte de renda. Caso contrário, poderão receber uma pensão menor do que o valor do mínimo.

Outras maldades contra a classe trabalhadora podem ser verificadas nos links abaixo:

Com reforma da Previdência, maioria dos homens vai se aposentar aos 77 anos

Equipe independente de economistas afirma que 20 anos de contribuição mínima impedem homens de se aposentarem aos 65. Se regras de Bolsonaro estivessem em vigor, 57% dos aposentados não conseguiriam o benefício

https://www.cut.org.br/noticias/com-reforma-da-previdencia-maioria-dos-homens-vai-se-aposentar-aos-77-anos-8f82

 

Maioria das mulheres vai se aposentar aos 74 anos, se reforma do governo passar

https://www.cut.org.br/noticias/maioria-das-mulheres-vai-se-aposentar-aos-74-anos-se-reforma-do-governo-passar-154d

 

Entenda os 10 piores pontos da reforma da Previdência de Bolsonaro
https://www.cut.org.br/noticias/entenda-os-10-piores-pontos-da-reforma-da-previdencia-de-bolsonaro-99fe

Veja como quatro pontos da reforma da Previdência vão deixar você mais pobre
https://www.cut.org.br/noticias/veja-como-quatro-pontos-da-reforma-da-previdencia-vao-deixar-voce-mais-pobre-a9e7