• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Opinião: Mais Amor, Respeito e Direitos

Publicado: 28 Junho, 2021 - 17h55 | Última modificação: 28 Junho, 2021 - 17h59

Escrito por: Itanamara Guedes, secretária de Políticas Sociais da CUT/SE e presidenta da FETAM/SE

notice

28 de Junho é celebrada em todo mundo a luta da população LGBTQIAP+ pelo direito de existir e amar. Há 52 anos, em 28 de de junho de 1969, em Nova York, ocorreu uma violenta abordagem policial no bar Stonewall Inn, um espaço LGBTQIAP+, que despertou a revolta das pessoas, surgindo o levante popular que ficou conhecido o marco movimento LGBTQIAP+.

Nos últimos, anos a luta da comunidade LGBQTIAP+, que representa 7,5 da população brasileira, obteve algumas conquistas, a exemplo das decisões do Supremo Tribunal Federal (STF), como o direito ao casamento civil, o reconhecimento ao direito de transexuais a usarem seu nome de acordo com sua identidade de gênero e a equiparação da LGBTQIAPfobia ao crime de racismo.

Mesmo com alguns avanços na construção da cidadania, a realidade social da população LGBTQIAP+  no país é marcada pela discriminação, violência e exclusão social, que foram agravadas pela pandemia do CIVID-19. Um dos agravantes foi o aumento do desemprego, estima que 40% na comunidade LGBTI e 70% na população trans estão desempregados, de acordo com os dados da Aliança Nacional LGBTI.

Outro dado é o aumento dos casos de violências, em 2020 foram registrados o assassinato de 237 pessoas LGBTQIAP+, de acordo com levantamento realizado pelo grupo gay da Bahia. A cada uma hora uma pessoa LGBTQIAP+ é agredida. O Brasil é um dos países que mais mata travestis e transexuais do mundo (dados da ANTRA). Esses dados podem ser ainda mais elevados, já que existe uma subnotificação dos casos e a omissão do Estado brasileiro.

A Central Única dos Trabalhadores das Trabalhadoras (CUT) compreende que a defesa à diversidade de gênero e sexual é uma tarefa de todos/as/es, inclusive do movimento sindical, e reafirma seu compromisso com a luta pela construção da cidadania da população LGBTQIAP+. E para celebrar essa data a CUT lançou o almanaque LBQTIA+, que pode ser acessada no site www.cut.org.br